Como sabemos que pertencemos?

Como nos sentimos quando sabemos que pertencemos?

De onde vem essa informação de que pertencemos?

É inato?

Precisamos praticá-lo?

Precisamos aprender com outra pessoa?

O pertencimento precisa ser passado adiante?

Qual o segredo daquelas pessoas que cativam com sua força?

—–

Pertencimento.
Um tema importante nas Constelações Familiares.

Alguns dias atrás, eu atendi uma mulher no consultório. Nós abrimos uma constelação familiar com bonecos. Ela disse “sim”. Então, eu perguntei a ela o que ela queria trabalhar. Ela mencionou algumas coisas sobre o fato de que ela não podia ver a si mesma e a sua grandiosidade.

De sua partilha, montei a constelação. Ela estava de pé com sua criança interior ao seu lado e, em seguida, coloquei bonecos para representar algumas gerações atrás dela, pais, avós, bisavós e assim por diante. E, finalmente, exigi que ela se virasse, enfrentasse a primeira geração e repetisse em voz alta para os dois: Eu vejo você. Você pertence”.

O tom de sua voz já estava trêmulo e muito baixo. Quando ela começou a encarar a outra geração (a dos avós), ela não podia mais falar, começou a chorar e me disse que dizer “você pertence” era muito difícil. Levou alguns minutos para se acalmar e então, por meio do boneco que representava a de sua criança interior terminou o trabalho, reconhecendo todas as outras gerações, dando a todos um lugar, um lugar para ser visto e, finalmente, um lugar a pertencer.

—–

Quando somos incapazes de nos ver, pode significar que nunca nos sentimos vistos por nossos pais, nossa família ou pela pessoa que nos criou. E assim, por não sermos vistos e reconhecidos como podemos sentir que pertencemos?

Quando consideramos algo ou alguém, damos a essa pessoa, emoção ou objeto, um significado e assim ela se torna parte de nossa vida, tem um lugar, obtém a afirmação de que: “Sim, você é visto e por isso é importante. Você existe. Você tem um lugar.

Como conseqüência, isso reforça nossa vida, nossa importância para estarmos vivos e fazer parte de um sistema, nosso sistema familiar e que, não importa o que aconteça a seguir, sempre teremos um lugar seguro para onde voltar.

Este é o dom de pertencer: não ter medo de seguir em frente porque, no fundo, você sabe que atrás de você há um exército de pessoas que sempre o pegam de novo e de novo e lhe dizem: “Sempre aqui. Em qualquer lugar que você vá, nós seguiremos você. Não tenha medo dos seus erros. Aprenda. Volte para nós. Vá em frente. Falhe. Tenha sucesso. Ame. Para sempre estaremos aqui para você.

Isso é impagável.

E a imagem que agora tenho em mente é quando uma criança está tentando dar seus primeiros passos e os pais estão logo atrás, tão encorajadores, tão orgulhosos e também têm essa bela maneira de dramatizar se o filhinho deles ou a menina cai de novo, sussurrando para seus ouvidos: “Você pode fazer de novo, está tudo bem. Mamãe e papai confiam em você. Mamãe e papai estão orgulhosos de você”.

Nós devemos sempre ser esses pais. Mesmo quando nosso adolescente nos deixa loucos, quando nosso filho é viciado, quando nossa filha rejeita nossos abraços, quando nossos filhos se tornam adultos. Porque, não se deixe enganar, não importa quantos anos nós tenhamos, sempre precisaremos de nossos pais, encorajando-nos, sussurrando para nós que eles nos vêem e que temos um lugar.

—–

E, se nesse momento, você está petrificado de seguir em frente, você é incapaz de ver a si mesmo e a sua surpresa, por favor, o que quer que esteja fazendo, pare com isso. Pegue um espelho de bolso, vá ao banheiro, use a câmera do seu telefone e olhe para si mesmo, de uma maneira profunda, respire e diga em voz alta: “Eu vejo você. Você pertence”. E repita todos os dias até absorver na Alma em 100%.

—–

Podemos ter gerações de membros da família invisíveis. A boa notícia é que só é preciso uma pessoa para mudar a dinâmica de invisível para ser vista . Nós podemos ser a mudança. Nós podemos nos libertar. Podemos dar um lugar a todos da nossa família. Reconhecendo a linhagem feminina ou masculina e / ou reconhecendo um destino que, infelizmente, nos sentimos rejeitados pelo sistema familiar.

Quando todos têm um lugar, quando todos pertencem, quando os mortos são reconhecidos e a vida é celebrada, o sistema familiar pode se expandir e assim seguir em frente.

E, na verdade, é a única direção certa: seguir em frente .

—–

Que você possa seguir em frente com sua família.
Que você esteja presente para sua família.
Você pode celebrar a vida como ela é.
Você pode respeitar sua família.
Que você aceite sua família.
Que você receba de todos eles.
E você pode ousar ser feliz com a Vida que está bem em suas mãos.

Desejo um lindo final de ano com seus entes queridos.

🌲🦌🌟

Patrícia Costa


Eu trabalho com atendimentos em constelação familiar e organizacional, presencial ou a distância. Você pode agendar uma sessão pelo whasapp (34) 99151-0848.

Se você gostou desse post e quer participar do grupo via WhatsApp para receber mais informações como essa, clique aqui.

Adicione um comentário

Pin It on Pinterest

Share This

COMPARTILHE

Compartilhe este post com seus amigos!